Monday, January 7, 2008

A minha primeira sereia


Infelizmente não tenho fotografias, mas posso assegurar-vos que tinha umas curvas de pôr qualquer homem louco. Foi a minha primeira e também foi a desvirginadora de quase todos os surfistas da "velha guarda" de Cabanas.

Chegou às nossas costas pela mão do Eddy Arrifanense, que a encaminhou para o Nikita (aka Pedro Cabanas). Este aprendeu os primeiros truques com ela e quando começou a sonhar mais alto passou-a ao Xú. O Mestre brincou com ela durante uns tempinhos e depois, mais ou menos em 1993 passei a ser eu a disfrutar de belos momentos com as suas belas e robustas curvas, pelo preço de 15 contos de reis.



Como não quero que comecem com ideias esquisitas, digo-vos já que esta dama, de nome Beribiraut, tinha 6'3" de altura e era feita de poliuretano e fibra. Segundo me lembro do que o Eddy me disse na altura, o nome veio da junção dos nomes dos dois cães do shaper que a talhou, Beri e Biraut. Não faço ideia de quem foi o shaper (Eddy diz aí) mas aposto que nem faz a ideia da quantidade de pessoas cujas vidas foram tocadas por essa prancha.

Já foi há uns 15 anos, mas mesmo assim lembro-me como se fosse hoje da primeira vez que a experimentei, aliás da primeira vez que tentei fazer surf. Foi num dia frio de inverno, Janeiro ou Fevereiro acho, e tava um frio do catano! Tava eu, o Mestre Xú, o Cachola e o Sargento Gabriel e atravessámos a Ria no barco a remos do Xú em direcção à Ilha de Cabanas. Como não tinha fato e o Xú se tinha esquecido do fato de caça submarina em casa, tive que entrar de calções e t-shirt, mas a adrenalina era tanta que acho que nem senti frio. O mar tava tempestuoso e todo mexido e fui o único a entrar claro e como não tinha chop tive que me desenrascar com uma corda que encontrei na areia. Mesmo hardcore!! Haha!!
Lembro-me que o mar estava um caos e vinham ondas de todo o lado, mas no meio daquela confusão consegui apanhar uma ondinha no inside e levantei-me por alguns segundos. Pronto, fiquei logo agarrado e a Beribiraut passou a ser a minha melhor amiga, ao ponto de até termos partilhado a mesma cama algumas vezes! Foi o meu primeiro amor...

Depois de ter tocado a minha vida, a nossa Beribiraut continuou a sua bela viagem, desta vez pelas mãos de uma personagem quase mítica, que teve uma passagem fugaz, tanto por Cabanas como pelo surf, o Tábuas! Olha de quem eu me fui lembrar! O amigo Tábuas tentou converter-se ao surf mas nunca lhe apanhou o jeito e acho que acabou por vender a Sereia Beribiraut ao irmão do Nany, se não me engano. A partir daí perdi-lhe o rasto, mas podem crer que agora pagaria bem mais do que 15 contos para a ter de volta nos meus braços... A primeira...

Mais alguém tem histórias de amor poliuretano para partilhar?!

12 comments:

Nany said...

Grande Botas,grande amigo, é com muito orgulho saber que a tua primeira sereia após ter passado pelas mãos de muitas personagens da nossa tribo e foi a alegria de muitos o fim dela infelizmente acabou comigo.o meu irmão na altura tinha sido a ultima pessoa a usufruir dela e como todos sabem ele na altura de uma constituição fisica acima dos 120 kg e numa tentativa de ser uma alegria dele no sentido em que queria aprender a surfar a coitada não aguentou e partiu-se ao meio após um wipeout violento.Alegria essa que se transformou em pesadelo e uma perda muito importante perante a nossa tribo surfista pois aquela prancha era um classico dos classicos e muito desejada por todos nós.Ainda a guardei comigo durante alguns tempos pois o meu irmão já não a queria e ainda a troxe comigo quando me mudei para lisboa numa tentativa de ainda a recuperar mas não havia nada a fazer e foi-se degradando na arrumação da garagem e apenas existe hoje o nose que guardei como recordação.
Em nome de todos lamento o sucedido e fica apenas a recordação de uma prancha que foi a alegria de muita gente e surfou mares sem conta.
Abraço a toda a tribo que muitas recordaçóes guarda de tempos de grandes aventuras.Granda abraço Nany

J.Alentejano said...

Pois é caros amigos a primeira é sempre a primeira..... deixa sempre marca. Comigo também sucedeu algo semelhante.
A minha primeira era um POLEN, na altura que a adquiri ( na SURFaro) já fechou essa loja à alguns anos, era o supra sumo do desporto na altura na região. Acho que me custou 25 cts, e já estava usadinha com bastantes remendos. Mas a euforia de a adquirir e exprimentar era tanta que isso era apenas um pormenor insignificante, quantas vezes não ia olhar para a prancha, ver aquelas curvas etc. O ritual de sempre quando qualquer surfista compra uma prancha. Quer esta seja nova ou usada. Voçês devem lembrar-se dela (não tanto quanto eu). Mas que teve um fim triste no Beach breack da Ponta Ruiva, ficou em dois bocados e logo na primeira onda da surfada. A sorte foi o botas que tinha levado uma segunda prancha, tb bastante velhinha.
A quando de uma trip com bastante pessoal inclusivé, Gastão, Diogo, Milton, Nany, Botas, Pimentel, até o Paraíso e o gavinhos.......e o Santana tb lá estava..................uuuiiiii . À quanto tempo foi isso, tantos anos já passaram..........
Estamos a ficar Experientes, eehehhe.

Um abraço a todos

etienne neto said...

Grande Botilde, no final deste comment tenho uma surpresa para de dar de agrado mas agora aqui vai a história do "meu primeiro amor".
Como a minha começou um pouco mais cedo que a vossa as tábuas que havia eram mesmo de TABUA ou esferovite pois o poliurtano era apenas um sonho. A primeira prancha foram duas placas de esferovite que "shpei"á facada, eram o forro de um frigrifico velho, andei tambem na prancha de madeira do Capacheira (figuras Farenses) que até tinha um pipo para escuar a água. O poliurtano vem mais tarde com a tentativa de um novo shape dum KneeBord com a inspiração do meu velho amigo George Greennough (ver dashelter.blogspot).
Finalmente o Micalexi vende-me a primeira tabua por 1000 paus trazida do Brasil. Marca? Hawaii.
Dei-lhe 500 paus e os outros até hoje estou para lhe os dar LOLOLOL.
Foi uma epoca linda. Vendi essa tabua mais tarde a um Gordinho la da Ilha por 6 contos para comprara outra que tinha quilhas com o interior em poliurtano e um nose redondo. Modas da epoca na California, origem da "manina" pois a Semente ainda tava para nascer e a LipStick dava os primeiros passos...
A Surpresa? Aqui vai, hoje estive numa agradavel conversa com o teu Pai. Ainda não o conhecia pessoalmente, foi ele que se dirigiu a mim e a perguntar se eu é que era o Neto amigo do João Pedro.
Ganda Pai que tu tens. O homem anda com saudades do filho, dá para ver. Manda-lhe um abraço meu quando voltares a falar com ele.
Vá amigo fica bem e um Ahmlé á lá Xocco.

choco said...

epà...ó botas...ganda mula,e maltinha..ja agora vejam la se vêm uma tiki fish tail single finn com resina injectada nos fofos do foam....acho que a vendi ao dany(da loja de cenas pa carros,na me lembro o nome)e perdi-lhe o rasto tambem...o que eu nao dava pa te-la de volta..aquela...mula!!!
spotdoxoco

choco said...

1ª semana de fevereiro:andorra,pa matar saudades..alguien se apunta??

Anonymous said...

yo! botini do que tu foste falar! aquela board foi shapada em santa Cruz! tinha por la um amigo que fazia pranchas e eu e um amigo resolvemos arriscar e pedir-lhe uma! correu bem e pude acompanhar todo o processo o que para a altura era unico! a palavra beribiraut nos rails fui eu que a escrevi porque ele me deixou, até me borrei todo! fico muito feliz por essa menina ter passado por bons amigos e ter feito sorrir tanta gente! EDDIE arrifana

Botas said...

Amigo Nany, infelizmente a nossa Beribiraut pode ja nao tar entre nos mas pelo menos teve uma vida feliz e deu muitas alegrias a muita gente e mais importante que tudo foi a primeira de alguns de nos. Apesar de tudo, teve um final feliz, no mar, bem melhor do que muitas belas pranchinhas que acabam os seus dias a apodrecer em garagens e debaixo de camas... Haha!

Pois e’ Johnny lembro-me bem desse dia em que a tua Polen foi para o Alem das Pranchas! Tava um dia pequeno mas com uns closeouts lixados. Lembro-me que quase tinhas lagrimas nos olhos ao ver a tua pranchinha partida em dois... Lembro-me tambem que ainda aproveitei uma parte do teu deck que depois colei numa prancha minha, ai belos tempos... Foi uma trip que me ficou na memoria. Acho que foi a trip com mais pessoal. Nao apanhamos ondas incrivelmente boas mas mais que tudo foi uma trip de muita maluquice: cagalhoes em capot de carros, mijo em garrafas de agua, luta de bolhacha e cuspe entre carros em andamento, bosta em puxadores de portas, etc... Hahahaha!!!! Lembro-me que alguem tinha fotos dessa trip!! Se for algum de voces mande-me isso ou escreva um Postzinho para por aqui no blog.

Grande Etienne!
Pois e’ pa’ tu ja andas nisto desde a Idade da Pedra!! Pranchas feitas a partir de forros de frigorificos e com pipo!!! Hahahaha!!! Grande classico que tu es amigo! Os putos hoje em dia ainda nem sabem o que surf e’ e ja teem Al Merricks e material todo XPTO, digam o que disseram, antigamente e’ que era!!! So andava nisto quem tinha mesmo pica e persistencia para realizar o sonho de cavalgar ondas. Hoje e’ tudo facil e tudo o que e’ demasiado facil perde a graca...
Pois e’ o Botas mais velho e’ um cota ‘a maneira. Tambem tenho saudades dele. Mando-lhe o abraco teu na proxima conversa telefonica semanal.

Eh Xoque!
Tas de volta marafado! Tu tambem es um dinossauro dos surfs algarvios tal como o nosso Etienne. Tambem deves ter muitas e boas memorias de sereias de poliuretano, ou de mulas!! Haha! Andorra?! Quem me dera! Podem nao acreditar, mas ate ja tenho saudades do friozinho. Ja nao tenho um inverno digno desse nome ha 2 anos!! O mais perto disso que tive foi no ano passado quando fui ‘a Dinamarca e ‘a Suecia em Maio! Umas sessoes de snowboard iam que nem ginjas!! Curte ai o Powder andorrano brother e se vires o meu primo (que nunca conheci!) manda-lhe um abraco!

Ehh Eddie Arrifanense!
E’ algo surreal pensar que se nao tivesses levado essa prancha para Cabanas eu muito provavelmente nao estaria aqui na Australia neste momento... E’ incrivel pensar como pequenos pormenores podem alterar completamente o rumo das nossas vidas bem como das vidas de outros! Neste caso a Beribiraut fez isso mesmo. Quer dizer para dizer a verdade acho seria apenas umas questao de tempo e de oportunidade ate eu comecar a fazer surf pois sempre fui um moco do mar, mas nunca se sabe, a vida poderia ter dado uma volta completamente diferente... Viva ‘a Beribiraut!!!! Mas e’ verdade que o nome veio dos nomes dos caes, nao e’?! Abraco! Olha e se vires os meus primos por ai manda-lhes um abraco e beijinho! Haha! Ta’ o primo em monte!!

Abraco pessoal!!!

Nany said...

Granda botini polvo ainda tenho 2 a 3 fotos dessa trip alucinante,vou-te enviar pois são memoraveis,granda abraço deste teu amigo de partilhas de historias surfadas e grandes aventuras
Nany Nani

Anonymous said...

botilde, o nome dessa prancha magica vinha dos canitos do moço sim senhor! abraço a todos! EDDIE

choco said...

essa tabua era ma conhecida nas cabanas qu´o zé dos plasticos em roma....
e sim botas,tenho historias do arco da velha..na vamos falar de pranchas de esferovite com o mano falcao novo(moçe desconhecido nestas andanças mas bixo da ilha do paraiso)a agarrar na tabua e a malta a mandar os primeiros rasganços de pois de uma corrida la de cima e um salto á aussie pa cima daquilo...so quando vinham os levantes pequenos é q a malta ia pa costa ,pois os pais e anibal na deixavam a malta atirar-se...entretanto era assim no rio da ilha do paraiso..ate q a pobre pranchinha aguentou.....

Johnny said...

Boas pessoal. Sou local de Santa Cruz e as Beribiraut eram feitas por cá sim senhor. Confirmo a hitória do nome das pranchas e ainda vos posso dizer que o shaper é o Bruno Melo, que hoje já não shapa mas que é o proprietário da empresa Guliver que realiza projectos em materiais compósitos.
É também ele o mentor do Santa Cruz OceanSpirit.

Fiquem bem.
Abraço, João Maya

Anonymous said...
This comment has been removed by a blog administrator.